Desde a sua criação, Loures, Capital do Clarinete recebeu professores e solistas de referência mundial de cerca de 19 países.

A internacionalidade e excelência das várias iniciativas do Loures, Capital do Clarinete, como a Academia e o Meeting, permite aos alunos clarinetistas, e não só, a possibilidade de trabalharem em Portugal com alguns dos melhores professores de clarinete do mundo.

Os solistas internacionais proporcionam, em Loures, recitais e concertos de elevado nível artístico, acessíveis a todos os alunos e à população em geral.

São igualmente os professores e solistas nacionais, também eles com carreiras com projeção internacional, que ajudam a escrever a história do Loures, Capital do Clarinete.  O respetivo trabalho excecional a nível artístico e pedagógico muito contribui para o sucesso da marca, assim como para a imagem, cada vez mais de destaque, da escola do clarinete em Portugal.

Biografia de solistas e professores

Ana Catalina Ramirez Castrillo (Costa Rica)
Clarinete

É uma clarinetista costa-riquenha, conhecida pela sua versatilidade como solista, como músico de câmara e de orquestra. 
Nascida em San José, na Costa Rica, iniciou os seus estudos musicais no Instituto Nacional de Música da Costa Rica, em 1992. No seu país, Ana Catalina Ramirez foi clarinetista principal da Youth Symphony Orchestra da Costa Rica, primeiro clarinete da National Band of San José, segundo clarinete da Orquestra Sinfónica Nacional por uma temporada, e duas vezes vencedora do Concurso Jovem Solista da Costa Rica, aparecendo várias vezes como solista da Orquestra Sinfónica da Juventude, bem como da National Symphony Orchestra.

Ana Maria Santos (Portugal)
Clarinete

Ana Maria Santos nasceu em Lisboa, em 1984. Aos onze anos ingressou no Conservatório Metropolitano de Música de Lisboa, na classe de Étienne Lamaison. 
É licenciada pela Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe do referido professor. 
Em 2008 concluíu a pós-graduação em clarinete baixo, na classe de Harry Sparnaay, na Escola Superior de Música da Catalunha (Barcelona). No mesmo ano, foi admitida na classe de Michel Arrignon, na Escuela Superior de Música Reina Sofia (Madrid), sendo bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundación Albéniz. Nesta escola trabalhou com várias formações de câmara, orientadas pelos professores: Marta Gulyas, Radovan Vlatkovic, Jacques Zoon, Klaus Thunemann e Hansjörg Schellenberger.

Ana Rita Petiz (Portugal)
Clarinete

Ana Rita Petiz (1984) iniciou os seus estudos musicais aos doze anos, na Escola da Banda de Música de Loureiro, na classe de clarinete do professor António Rosa. 
Em 1999 participou no II Congresso Nacional Jovens Clarinetistas, na categoria C, tendo sido uma das cinco finalistas. Em 2000 ingressa na Escola Profissional de Música de Espinho, na classe de clarinete do professor Luís Carvalho. No âmbito da disciplina de música de câmara, em 2001 participou no concurso Prémio Jovens Músicos, na modalidade de música de câmara nível médio, quarteto de clarinetes, onde obteve o 3º prémio não tendo sido atribuídos o primeiro e segundo lugares. Participou no mesmo ano, a convite da Câmara Municipal do Porto, no projeto Em busca do bicho da música.

Andrzej Wojciechowski (Polónia)
Clarinete

Formou-se na Moniuszko Academy of Music, em Gdansk. 
Participou em várias masterclasses com grandes músicos como: Andrew Marriner, Jean Fassard, Walter Vitek, Woytek Mrozek, Brenno Ambrosini, Joseph Fuster, Nicolas Baldeyrou, Florent Héau, Antonio Saiote, Alessandro Travaglini, Gabor Varga. Entre 2002-2003, estudou com Joan Enric Liuna sob os auspícios do Conservatório Superior de Música em Castello (Espanha).

António Saiote (Portugal)
Clarinete

Nascido em Loures, Portugal, António Saiote é um artista e pedagogo reconhecido mundialmente. Terminou o curso do Conservatório Nacional com 20 valores, na classe do professor Marcos Romão. Foi bolseiro da Fundação Gulbenkian em Paris, com Guy Deplus e Jacques Lancelot, e em Munique com Gerd Starke, onde obteve o Meisterdiplom da Hochschule de Munique, com distinção. Fez um curso de pós-graduação de Música Contemporânea, em Espanha, com Artur Tamayo e Repertório Tradicional em Inglaterra, com Georges Hurst. Concluiu o mestrado em Direção de Orquestra pela Universidade de Sheffield.

Antonio Fraioli (Itália)
Clarinete

Antonio Fraioli (nascido em Sabaudia, província de Latina – Região Lácio, Itália 1966) realizou os seus estudos musicais de clarinete e jazz no Conservatório Ottorino Respighi, em Latina, sob a orientação dos professores:  Giuseppe Magliocca (1982 – 1986), Mauro Zazzarini (1994 – 1998) e Francesco Belli (2004 – 2007), apresentando uma tese sobre Bebop.

António Quítalo (Portugal)
Trompete

Iniciou os seus estudos musicais com cinco anos de idade, na Sociedade Filarmónica Humanitária em Palmela. Foram seus professores José Augusto Carneiro, Kevin Wauldrom e Steven Mason. Foi 1º premiado nos mais prestigiados concursos nacionais – Juventude Musical Portuguesa (1988) e Prémio Jovens Músicos (1989). Foi o representante português no V Prémio Eurovisão para jovens solistas, realizado em Viena (1990) e no European Competition for Young Musicians, em Londres (1991).

Aude Camus (França)
Clarinete

Após vencer o primeiro prémio, por unanimidade, na CNR em Saint Maur em 1988 e no CNR de Orleans em 1989, Aude Camus continuou os seus estudos musicais no Conservatório de Paris, onde recebeu dois primeiros prémios de Música de Câmara, em 1992, e um primeiro prémio, por unanimidade, em Clarinete, em 1993. 
Integrou a Stuttgart Musik Hochschüle, na Alemanha, durante um ano de estudo avançado (K.A.) e obteve o Master of Music da Yale University, nos Estados Unidos, em 1997.

Barbara Borowicz (Polónia)
Clarinete

Nasceu em 1988 em Poznań (Polónia). 
Como solista e camerista, atuou nos cinco continentes, passando por países como: Austrália, Nova Zelândia, América do Norte, República da África do Sul, Geórgia, Áustria, Itália, Espanha, Armênia, Hungria e nas mais prestigiadas salas de concerto, como Sydney Opera House ou Royal Concertgebouw. 
Como solista, fez a sua estreia com a Filarmónica de Opole. Desde 2014, trabalha como assistente na aula de clarinete do professor Andrzej Godek, na Academia de Música de Cracóvia.

Barbara Heilmair (Alemanha)
Clarinete

A clarinetista Barbara Heilmair é professora associada de Clarinete e História Musical e coordenadora da Área de Sopros, na Escola de Música da Universidade do Estado de Portland. Mantém uma carreira internacional como intérprete, académica, e já lecionou na Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), e na California State University, em Long Beach (CSULB). 
Após a sua estreia em Salzburgo, em 1995, Barbara Heilmair tocou com orquestras sinfónicas como o Bavarian State Theatre em Munique; a Salzburg Mozarteum Orchestra; o Festival Internacional de Música do Tirol (IOE); a Sinfónica de Santa Bárbara; a Sociedade Coral de Santa Bárbara; a Ópera Pasadena; Orquestra Clássica de Mozart; o The New Valley Symphony e o The Brentwood-Westwood Symphony.

Bogdan Ocieszak (Polónia)
Clarinete

É um dos mais conhecidos clarinetistas polacos. Formou-se na Academia de Música de Gdańsk, obtendo o diploma de clarinete com o professor Andrzej Pietras. 
Desde 1989, vem trabalhando com a alma mater, onde completou todos os níveis de sua carreira académica. Foi o vice-decano do Departamento Instrumental e é membro da universidade do Senado.

Bruno Bonansea (França)
Clarinete

Começou a sua carreira musical em Trieux, França (uma cidade no distrito mineiro de Lorraine), tendo continuado no Conservatório Regional de Metz, seguido do Conservatório de Paris (com Richard Vieille e Franck Amet) e na Universidade Sorbonne, em Musicologia. 
Foi aclamado muito jovem, ao conquistar sucessivamente o European Music Award, na Picardia; o Prémio de Interpretação Musical do Lions Clube e o Prémio Yamaha Music Foundation of Europe.

Bruno Graça (Portugal)
Clarinete

Natural da cidade de Tomar, iniciou a sua formação em música desde cedo. 
Inicia, em 1993, o bacharelato em Clarinete, na Escola Superior de Música de Lisboa com o professor Francisco Ribeiro (1º ano) e conclui com licenciatura. Em 1998 termina a licenciatura na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto, sob a orientação do professor António Saiote.

Bruno Silva (Portugal)
Clarinete

Bruno Miguel Caronho da Silva nasceu em Castelo Branco, em 1986. Iniciou os seus estudos musicais aos 13 anos, na Escola Profissional de Artes da Beira Interior, na classe de clarinete dos professores Luís Gomes e Nuno Antunes. 
Licenciou-se na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, na classe de clarinete dos professores António Saiote e Nuno Pinto. Prosseguiu os estudos de clarinete com o professor Étienne Lamaison, integrando o mestrado na Universidade de Évora em 2009.

Cândida Oliveira (Portugal)
Clarinete

Cândida Oliveira nasceu a 30 de janeiro de 1983, na freguesia de Frazão, Paços de Ferreira. Iniciou os seus estudos musicais aos seis anos de idade, na classe de piano do professor Sílvio Cortês. Em 1995 foi admitida na Escola Profissional Artística do Vale do Ave – ARTAVE, na classe de clarinete do professor Adam Wierzba, com o qual terminou o curso básico de instrumentista de sopros, com 19 valores. Em 1999, prosseguiu os seus estudos de clarinete com o professor José Ricardo Freitas. 
Em música de câmara trabalhou com os professores Aldo Salvetti, Rui Lopes, José Pedro Figueiredo, Paulo Martins, Sandra Pina, Nuno Pinto, Luís Carvalho, António Saiote, Ana Mafalda Castro, Nuno Pinto, entre outros. Enquanto membro das orquestras Sinfónica Artave, de sopros Artave, da APROARTE – Associação Nacional do Ensino Profissional de Música e Artes, Orquestra Sinfonieta, Filarmonia das Beiras, Orquestra Nacional de Sopros dos Templários, Orquestra de Jovens Remix.

Carlos Alves (Portugal)
Clarinete

É solista A na Orquestra Sinfónica do Porto, Casa da Música, e professor de Clarinete na Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco.
Foi artista e professor convidado da Universidade do Estado do Arizona (EUA), em 2009 e 2010. Realizou o curso superior na Esmae, na classe de António Saiote e obteve o Prix de Perfectionement à Unanimité du júri, no Conservatório Superior de Versalhes, na classe de Philipe Cuper (Principal da Ópera de Paris). Fez masterclasses com Walter Boykens, Guy Deplus, Philipe Cuper, Guy Dangain, Michel Arringhon, Michel Collins e Paul Mayer.

Carmen Borregales (Venezuela)
Clarinete

É uma clarinetista venezuelana formada no programa musical, de renome internacional, El Sistema
Iniciou os seus estudos aos oito anos na sua cidade natal, Coro. Mais tarde, mudou-se para Caracas para continuar os seus estudos na Academia Latino-Americana de Clarinetes, sob a direção de clarinetistas proeminentes, como Valdemar Rodríguez, Edgar Pronio, Jorge Montilla, Luis Rossi, Henry Crespo e Gregory Parra. Participou em muitas masterclasses com maestros e solistas internacionais, como Antony Pay, Alain Damiens, Walter Seyfarth, Eddy Vanoosthuyse, Jonathan Cohler, Paulo Sérgio Santos, Charles Neidich, Michel Arrignon, Ronald Van Spaendonck, Evgeny Petrov, Thomas Friedli, Harry Sparnaay e Alessandro Carbonare, entre outros.

Carolino Carreira (Portugal)
Fagote

Carolino Carreira estudou no Conservatório Nacional, onde terminou o curso de Fagote em 1987. 
Em 1989, concluiu uma pós-graduação no Royal Northern College of Music, em Manchester, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 1987 e 1992, integrou a Orquestra Sinfónica do Teatro Nacional de São Carlos, onde iniciou a atividade de fagotista.

Catarina Rebelo (Portugal)
Clarinete

Catarina Rebelo iniciou os seus estudos musicais na Academia e Escola Profissional de Música de Espinho, nas classes dos professores Manuel Moura e Luís Carvalho. Ingressa em 2002 na Universidade de Aveiro, na classe de Luís Silva, onde conclui o 5º ano de licenciatura em Ensino de Música em Clarinete. No ano letivo 2008/2009 realizou uma pós-graduação em Clarinete, na Escola Superior de Música de Catalunha (Barcelona), na classe do professor Josep Fuster.

Cristina Ánchel (Espanha)
Flauta

Cristina Ánchel Estebas nasceu em Espanha. 
Começou a estudar flauta no Conservatório de Música de Torrent, em Valência, onde obteve as mais altas classificações. Prosseguiu a sua formação no Conservatório Superior de Música Oscar Esplá, em Alicante, onde se licenciou com a nota máxima. Frequentou também cursos de aperfeiçoamento no Mozarteum de Salzburgo e na Bachakademie de Estugarda. Em 2001 venceu o Concurso Internacional de Música Pedro Bote, em Villafranca de los Barros.

Eddy Vanoosthuyse (Bélgica)
Clarinete

Ninguém pode ficar indiferente depois de ouvir uma apresentação do clarinetista belga Eddy Vanoosthuyse. Elogiado pela imprensa internacional, este músico ganhou reconhecimento mundial pela sua interpretação pessoal e notáveis qualidades técnicas e musicais. 
Atua em todo o mundo com orquestras de prestígio como I Pommerigi Musicali, Milano; Sinfónica de Xangai; Orquestra Simón Bolívar, Caracas; Filarmónica de Bruxelas; Sinfónica de Flandres; Orquestra de Câmara da Lituânia; Orquestra Metropolitana de Lisboa; Orquestra de Câmara da Filadélfia; Solistas de Sófia e Câmara de Vancouver; Sinfonietta Eslovaca; Sinfonietta de Kansas; Orquestra Sinfónica de Caso, Japão; Sinfonia de Colombo; Orquestra Sinfónica Central de Aichi, Nagoya; Chamberorchestra do Teatro Stanislavsky, Moscovo; Orquestra Filarmónica de Györ e com regentes incluindo Yoel Levi, Peter Oundjian, Saulius Sondeckis, Jan Laethem Koenig, Michel Tabachnik, Paul Meyer, Dirk Brossé e muitos outros.

Fernando Ramos (Canadá)
Saxofone

Natural do Canadá, onde aos 14 anos começou a aprender saxofone, emigrou dois anos depois para Portugal e estudou, com Fernando Valente, no Conservatório de Aveiro. Em 1997 mudou-se para a Holanda e ingressou no prestigiado Conservatorium van Amsterdam, onde se licenciou em 2001, sob orientação de Henk van Twillert. Foi convidado a prosseguir os estudos na mesma instituição, terminando assim o mestrado Voortgezet opleiding Muziek em Artes Performativas, em 2004. Participou em diversas masterclasses com os mais prestigiados saxofonistas clássicos internacionais, tais como: Claude Delangle, Marcus Weiss, Arno Bornkamp, Eugene Rousseau, Nobuya Sugawa e Jean-Yves Formeau, e esteve presente em workshops com artistas de diversas áreas como Bobby McFerrin, Chris Potter, Hermeto Pascoal, Ari Hoenig, Anner Bylsma, Kenny Werner e Perico Sambeat.

Francisco Luís Vieira (Portugal)
Oboé

Natural de Vila do Conde, licenciou-se na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, sob a orientação de Lopes da Cruz, tendo também estudado com os professores Santos Pinto e Ricardo Lopes e, posteriormente, na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe de Andrew Swinnerton. Frequentou vários cursos de aperfeiçoamento em Portugal e no estrangeiro. 
Em 1988 obteve o 1º Prémio do Concurso da Juventude Musical Portuguesa e o 1º Prémio do Concurso Jovens Músicos Portugueses, o qual lhe permitiu apresentar-se como concertista na extinta Orquestra Sinfónica da RDP, sob a direção do maestro Silva Pereira.

Francisco Ribeiro (Portugal)
Clarinete

Francisco Ribeiro estudou no Conservatório Nacional, onde teve como professores de clarinete Marcos Romão e António Saiote, com quem manteve uma atividade profissional bastante ativa juntamente com o Ensemble Português de Clarinetes. 
Frequentou masterclasses com os professores Philipe Couper, Guy Deplus e Walter Boykens. 
É licenciado pela Escola Superior de Música e concluiu o mestrado em Artes Musicais na Universidade Nova de Lisboa, Departamento de Ciências Musicais.

Gabriele Amarù (Itália)
Trompa

Gabriele Amarù nasceu em 1988, em Palermo, cidade onde iniciou os seus estudos musicais no Conservatório Vincenzo Bellini. 
Continuou a estudar trompa com Radovan Vlatković, na Hochschule der Künste, em Zurique, tendo concluído em 2013 um mestrado em Music Performance. Estuda atualmente com Thomas Hauschild na Hochschule für Musik und Theater Felix Mendelssohn, em Leipzig. Gabriele Amarù venceu o Concurso para Jovens Músicos Città di Caccamo (2007) e ganhou o 1º Prémio no concurso Wettbewerb Interpretation Zeitgenössische Musik Zürich (2013), com o Coda Quintet.

Gabriele Mirabassi (Itália)
Clarinete

O clarinetista italiano Gabriele Mirabassi nasceu em Perugia, estudou música clássica moderna e improvisação de jazz, no prestigiado Morlacchi Conservatory, onde se formou em 1986. 
Inicialmente, concentrou-se em apresentar composições modernas sob a direção de figuras como John Cage e Gunther Schuller entre muitos outros. Mirabassi escolheu concentrar-se apenas no jazz. Passou a apresentar-se em inúmeros eventos de jazz de alto perfil na Europa e noutros locais, e começou a gravar regularmente para Egea em meados dos anos 1990.

Gabor Varga (Hungria)
Clarinete

Nascido na Hungria em 1974, Gabor Varga estudou na Universidade de Szeged e na Academia de Música Liszt, em Budapeste, obtendo os seus diplomas em 1996 e 1998, respetivamente. Formou-se no Conservatório de Paris, como pós-graduado, em 2002.

Georgina Sanchez (Espanha)
Violoncelo

Membro fundador e principal regente da Orquestra Juvenil de Leão, desde 2014, esta polifacetada violoncelista espanhola executou mais de 300 concertos como instrumentista e maestrina, desde os 16 anos, e escreveu mais de 40 peças com grande sucesso junto do público. 
Os críticos dizem que ela é uma artista de muito talento, que é capaz de tornar a música incrivelmente apaixonada e emotiva, no palco.

Giovanni Punzi (Itália)
Clarinete

Punzi está entre os mais distintos clarinetistas europeus da sua geração. 
Clarinete principal da Orquestra Filarmónica de Copenhagen, Giovanni Punzi nasceu em Salerno, em 1989, e formou-se com o grau de performer em clarinete, em 2006. 
Depois da sua estreia como solista, aos 14 anos de idade, com a Orquestra Nacional da Bulgária, atuou nas principais salas de concerto da Europa, EUA, Rússia, China e América do Sul. Aluno de Calogero, em Palermo, e Alessandro Carbonare, em Roma, na Accademia di Santa Cecilia, continuou os seus estudos no Conservatório Nacional de Música de Paris, com Philippe Berrod.

Grzegorz Wieczorek (Polónia)
Clarinete

Nascido em 1974, aprendeu clarinete na Escola Secundária de Música de Gdańsk-Wrzeszcz, sob orientação do professor Andrzej Pietras. 
Em 1996, começou a estudar clarinete com o mesmo professor, na Academia de Música de Gdańsk. Após a morte do professor Pietras, continuou os seus estudos com o professor Marek Schiller, onde recebeu o seu diploma de honra em 2001.

Harri Mäki (Finlândia)
Clarinete

Estudou clarinete, com Reijo Koskinen, na Finlândia. Tendo-se formado na classe de Thomas Friedli, no Conservatório de Genebra, juntou-se à Tapiola Sinfonietta. Também estudou, em particular, com Charles Neidich e Osmo Vänskä.
Estreou dezenas de obras, incluindo concertos de clarinete escritos para ele por Juhani Nuorvala e Kirmo Lintinen.

Ilídio Massacote (Portugal)
Tuba

Nasceu no Montijo, começou a estudar tuba aos 17 anos de idade e, um ano mais tarde, ingressa na Banda da Guarda Nacional Republicana. Estudou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, com os professores António Lages e José Augusto Carneiro.

Iva Barbosa (Portugal)
Clarinete

Iva Barbosa começou a estudar música com o seu pai. Estudou posteriormente no Conservatório de Música do Porto e na ESMAE, com Adam Wierzba e António Saiote, respetivamente. 
Foi premiada em mais de uma dezena de concursos, com destaque para os primeiros prémios obtidos no XII Concurso de Interpretação do Estoril / Prémio El Corte Inglês, no Prémio Jovens Músicos, no 1º Concurso Internacional de Clarinete do Porto e no Concurso Jovem Revelação do Rotary International. Foi 2º prémio no concurso internacional Young Artists Competition, em Utah (EUA), no Concurso Internacional Villa de Montroy, em Valência, e semifinalista no concurso internacional Primavera de Praga.

Jarret Butler (Inglaterra)
Trombone

Nascido em 1968 em Mansfield, perto de Nottingham, na Inglaterra, começou a tocar trombone na sua Brass Band, aos 12 anos de idade.
Foi membro de várias bandas locais, da NYO Orchestra e da Wind Orchestra durante vários anos. Aos 18 anos ingressou no Royal Northern College of Music, Manchester (1988-1992) e ganhou vários prémios. Posteriormente frequentou os conservatórios de grau mais elevado, o Gmus RNCM (Hons). Entre os professores incluem-se Peter Gane, Andrew Berryman, Christopher Houlding e muitos professores visitantes, incluindo Dudley Bright, Ian Bousfield, Eric Crees, Christian Lindberg e Denis Wick.

João Pedro Santos (Portugal)
Clarinete

João Pedro Santos nasceu em 1984, em Torres Novas. Iniciou os estudos musicais no Conservatório Choral Phidellius, ingressando, posteriormente, na Escola Profissional de Artes da Beira Interior, Covilhã, na classe do professor Luís Gomes. Frequentou cursos de aperfeiçoamento com vários professores, dos quais se destacam: Philipe Cuper, Alain Damiens, Antony Pay, Michel Arrignon entre outros. Participou em Estágios de Orquestra de Jovens, tais como: Orquestra APROARTE, Orquestra EMP, European Union Youth Wind Orchestra (Itália), entre outras. Apresentou-se a solo com a Orquestra de cordas da Rússia (Variações, de Rossini), Orquestra da ESMAE (Concerto Nº 1, de Weber), Banda Sinfónica Portuguesa (Carmen, de Bizet – Variações), Orquestra Sinfónica de Jovens de Oviedo (Sinfonia Concertante, de Mozart), Orquestra Gulbenkian (Concerto de Nielsen), Orquestra do Algarve (Concerto, de Nielsen) e Orquestra de Câmara de Cascais.

João Pedro Silva (Portugal)
Saxofone

Natural de Palmela, iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Filarmónica Humanitária, em Palmela, com o professor Silvério Camolas. Estudou na Escola Profissional de Música de Almada, com Alberto Roque; na Escola de Jazz Luís Villas-Boas (Hot Clube de Portugal) com Pedro Moreira; e na Escola Superior de Música de Lisboa, com José Massarrão. Em regime de Masterclasse, também estudou com Daniel Deffayet, James Houlik, Jean-Marie Londeix, Claude Delangle, Jean-Yves Formeau, Vicent David, Carlos Martins, Jerry Bergonzi, entre outros. Mestrado em Música – Performance (saxofone) e mestrado em Ensino da Música (saxofone) pela Escola Superior de Música de Lisboa. Doutorando em Música e, musicologia, na Universidade de Évora.

John Cipolla (EUA)
Clarinete, Saxofone

John Cipolla é professor de música (clarinete e saxofone) na Western Kentucky University, em Bowling Green, Kentucky, e presidente eleito da Associação Internacional de Clarinete. 
Fez os seus estudos na UNC Greensboro (DMA, performance de clarinete), Rutgers (MM, performance de clarinete), Eastman School of Music (BM, performance de saxofone) e na Juilliard School of Music (bolsa de estudos de saxofone com o professor Joe Allard, em 1980). 
Atuou em vários festivais e concertos nos Estados Unidos da América, Europa e América do Sul.

Jorge Almeida (Portugal)
Trompete

Nascido a 29 de agosto de 1971, no Concelho de Santa Maria da Feira, Jorge Lourenço de Sousa Almeida acompanhou, desde tenra idade, o seu pai, Jaime – fliscornista conceituado no âmbito das filarmónicas. 
Começou a tocar a solo ainda antes de iniciar os seus estudos musicais no ensino oficial, pela facilidade e à vontade em assumir o papel de solista, fosse qual fosse o público, o solo ou as condições envolventes. Iniciou os seus estudos musicais de trompete aos onze anos de idade, na Academia de Música de São João da Madeira, sob a orientação dos professores Fernando Baptista e José Macedo, membros da Orquestra Sinfónica da RDP e Régie Sinfonia.

José Menezes (Portugal)
Saxofone

Nasceu no Porto em 1957. É licenciado em Jazz, pela Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, Estudos de Composição em Madrid e Pontevedra, tendo como professores Jack Walrath e Bill Dobbins.

José Pedro Figueiredo (Portugal)
Fagote

Natural de Loureiro, Oliveira de Azeméis, iniciou os seus estudos musicais na banda de música da sua terra natal. Mais tarde estuda na Escola Profissional Artística do Vale do Ave (ARTAVE), onde iniciou os seus estudos em fagote com o professor Hughes Kesteman. Frequentou masterclasses de fagote com Michael Dicker, Carolino Carreira, Arlindo Santos, Robert Glassburner, Pierre Olivier Martens, Jesse Read e Sérgio Azzolini.

José Ricardo (Portugal)
Clarinete

José Ricardo Freitas nasceu em 1977, em Pevidém – Guimarães. Iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Musical de Pevidém. Licenciado pela Escola Superior de Música das Artes e do Espetáculo do Porto, na classe de clarinete do professor António Saiote. Participou em masterclasses com António Saiote, Jorge Trindade, Michel Arrignon, Phillipe Cuper, Carlos Alves, Guy Deplus, Carbonare, Peres Pique, entre outros.

Juan Ferrer  (Espanha)
Clarinete

Nascido em Montserrat (Valencia, Espanha) em 1968, iniciou seus estudos de música na Sociedade de Música local e continuou no Conservatório de Música de Valência, tendo obtido as notas mais altas. Em seguida, completou o nível avançado no Conservatório Joaquín Rodrigo, em Valência, obtendo novamente as notas mais altas e um prémio unânime de honra. 
Simultaneamente, estudou com os professores José Vicente Herrera, Larry Passin, Andrew Marriner, Alan Damiens, Walter Boeykens, Anthony Giglioti, Guy Deplus, Roy Jehuda Gilad, etc. Entre 1992 e 1993, trabalhou assiduamente com a Orquestra Nacional da Catalunha (OBNC). Em fevereiro de 1993, escolhido pelo professor Jehuda Gilad, obteve uma bolsa de estudos naUniversidade do Sul da Califórnia (EUA), com os professores Mitchell Lurie e Michelle Zuckovsky.

Julia Heinen  (EUA)
Clarinete

É professora de clarinete na Universidade Estadual da Califórnia, Northridge. 
Como solista, Julia Heinen realizou centenas de concertos e recitais em todo o mundo, incluindo apresentações recentes em Itália, Bélgica, França, El Salvador, República Checa, Espanha e Portugal. Julia Heinen presidiu o júri do 9º Concurso Internacional de Clarinete de Mercadante e integrou o júri do 2º Concurso Bienal Internacional de Clarinete Europeu.

Juvino Alves  (Brasil)
Clarinete

Possui licenciatura  em Clarinete, pela Universidade Federal da Bahia (1997); licenciatura em Música, pela Universidade Federal da Bahia (1994), especialização (Künstlerische Ausbildung) em Clarinete, pela Escola Estadual Superior de Música e Artes Cénicas de Stuttgart, Alemanha (1999); doutoramento em Música (Execução Musical-Clarinete), pela Universidade Federal da Bahia (2003); pós doutoramento em Pedagogia Musical Brasileira (2009), pós doutoramento em Clarinete Brasileiro: Atuação Artística, Pedagógica e Histórica (2017).

Luigi Magistrelli  (Itália)
Clarinete

Luigi Magistrelli nasceu em S. Stefano Ticino, perto de Milão, Itália. 
Estudou clarinete no Conservatório de Milão, com o professor Primo Borali, e frequentou várias masterclasses com D. Kloecker, K. Leister e Giuseppe Garbarino. Atuou como solista com as orquestras de Pomeriggi Musicali, Angelicum, Teatro Litta, Radio de Milão, Città di Magenta, Vivaldi Val Camonica, Orquestra Sinfónica Legnano, Grande Orchestra Romantica de Milão e Banda de Sopros de Pequim. Apresentou-se igualmente com vários grupos de câmara (desde duos com piano até grandes ensembles de música contemporânea).

Luís Carvalho (Portugal)
Clarinete

Estudou clarinete e composição no Porto (com António Saiote e Fernando Lapa, respetivamente), onde lhe foi atribuído o Prémio para o melhor aluno do curso (1994), e direção de orquestra em Milão, S. Petersburgo e Madrid, com Jorma Panula e Jesus López-Cóbos. Especializou-se ainda em direção de música contemporânea com Arturo Tamayo (igualmente em Madrid), e frequentou workshop e palestras com compositores de renome, como Luis de Pablo (Espanha) e Magnus Lindberg (Finlândia).

Luís Gomes (Portugal)
Clarinete

Luís Gomes iniciou os seus estudos no Conservatório Nacional, sendo diplomado pela Escola Superior de Música de Lisboa (licenciatura), pelo Conservatório Superior de Roterdão (U.M.), e mestrado em Psicologia e Pedagogia da Música na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Enquanto estudante, foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Trabalhou com alguns dos mais conceituados clarinetistas mundiais: Guy Deplus, Michel Arrignon, Philipe Cuper, Walter Boykens, David Campbel, Josef Horák, Lorenzo Coppola e Henri Bok.

Luís Santos (Portugal)
Clarinete

Concurso de Execução Musical do Conservatório de Gaia, foi finalista do Concurso Jovens Clarinetistas e semifinalista do I Concurso Internacional de Clarinete da cidade do Porto. Fez algumas Masterclasses com os professores António Saiote, Guy Deplus, Michel Arrignon, Alain Damiens.

Luís Vieira (Portugal)
Trompa

Começou a estudar Piano aos seis anos de idade, tendo porém, aos 14, mudado para Trompa: “Recordo-me de ver um concerto no Coliseu dos Recreios, com a Orquestra de Chicago e o maestro Daniel Barenboim, onde tocaram a Sinfonia de Mahler, nº 5, com Dale Clevenger na posição de 1º Trompa. Foi em 2000, eu tinha 12 anos e, desde aí, apaixonei-me pelo som da trompa. Comecei a ouvir só CD de trompa, bandas sonoras de filmes, etc., até que consegui convencer os meus pais a trocar de instrumento.”

Manuel Jerónimo (Portugal)
Clarinete

Manuel Jerónimo nasceu em Lisboa, em 1960. É doutor em Ciências Musicais Históricas (2012) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sob orientação do professor doutor Gerhard Otto Doderer e Medalha de Ouro de Mérito Cultural pelo Município de Almada.

Marek Mleczko (Polónia)
Oboé

Licenciou-se, em 1985, com distinção na Academia de Música de Cracóvia, na classe do professor Jerzy Kotyczka. Continuou os seus estudos na Staatliche Hochschule für Musik, em Freiburg, na classe do lendário oboísta e compositor professor Heinz Holliger, formando-se em 1990. 
É laureado numa série de competições de música, incluindo: em 1985, o 1º Prémio no Concurso Internacional The Skene Award, em Aberdeen; em 1986, o 1º Prémio no Concurso Nacional de Oboé.

Mauricio Murcia Bedoya (Colômbia)
Clarinete

Clarinetista e compositor colombiano. Possui mestrado e certificado profissional em interpretação, pela Lynn University (Boca Raton, Flórida, EUA). É um clarinetista com destaque em direção pela Universidade Nacional da Colômbia, músico do ensino médio do Conservatório de Tolima.

Michael Lauren (EUA)
Bateria

Nascido em Nova Iorque, a 16 de janeiro de 1950, Michael Lauren toca bateria desde os oito anos de idade. A sua competência artística atravessa as fronteiras do jazz, funk, blues, rock e clássica. 
Obteve um B.A. (Bachelor of Arts) na The Johns Hopkins University e frequentou o Peabody Conservatory, bem como o Berklee College of Music. É membro fundador da escola de música de renome internacional Drummers Collective NYC, onde lecionou durante mais de 25 anos.

Nuno Inácio (Portugal)
Flauta

Nuno Inácio é descrito pela imprensa como sendo ”um jovem flautista de ampla e colorida sonoridade, de excelente controlo técnico e interessante musicalidade.” (Jornal Público). 
Leciona Música de Câmara na Escola Superior de Música de Lisboa, desde 1999, e orienta a classe de Flauta na Academia Nacional Superior de Orquestra desde 2004. É, desde 2005, 1º Flautista da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Terminou a Licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa (ESML), com classificação máxima, sob a orientação de Anthony Pringsheim (Flauta), Fernando Fontes e Olga Prats (Música de Câmara).

Nuno Ivo Cruz (Portugal)
Flauta

Nascido em Lisboa, pertence à terceira geração de uma família de músicos profissionais. 
É 1º Flauta da Orquestra Sinfónica Portuguesa. É membro do Quinteto Flamen, desde 1988. Integrado neste e noutros grupos, tem-se apresentado em concertos de Música de Câmara nas principais séries e festivais do país, bem como na Holanda, Alemanha, Itália, Brasil e Festival de Macau. Foi solista da Orquestra Filarmónica das Comunidades Europeias (Bruxelas).

Nuno Pinto (Portugal)
Clarinete

Artista das marcas Buffet Crampon e D’Addario Woodwinds, Nuno Pinto é descrito pela imprensa como um “clarinetista de génio” (Daniel Babiloni), “brilhante” (Nicholas Cox) e “ao nível dos grandes virtuosos internacionais do instrumento” (Bernardo Mariano). 
Estudou clarinete com Saúl Silva, António Saiote, Michel Arrignon e Alain Damiens, em Portugal e França, e tem dedicado uma grande parte do seu trabalho à música de câmara e à música contemporânea, sendo membro fundador dos grupos de câmara Camerata Senza Misura, Trivm de Palhetas e Clarinetes Ad Libitum. Nuno Pinto tem tocado também com alguns dos melhores músicos da atualidade.

Nuno Silva (Portugal)
Clarinete

Nuno Silva é um dos clarinetistas de referência da sua geração.
Tem desenvolvido uma dupla carreira, enquanto músico e professor, com apresentações regulares em Portugal e no estrangeiro. A crítica internacional reserva-lhe elogios como “Silva has the chops to handle all this music and the swing to sell it.” (Fanfare Magazine) ou ”Silva’s tone has great core focus and ring.” (The Clarinet). É frequentemente convidado a apresentar-se no Congresso Mundial do Clarinete, no âmbito do qual já atuou em Atlanta, Vancouver, Porto, Los Angeles, Assici, Madrid, Orlando e Osteend, tendo, nesta última ocasião, atuado no Concerto de Gala com a interpretação do Concerto de Artie Shaw à frente da Symphonic Band of the Belgium Navy.

Paco Gil (Espanha)
Clarinete

Fez os seus estudos musicais de clarinete no Conservatório de Albacete, com J. C. Vila, e no RCSMM com V. Peñarrocha e J. Sanz. É diplomado em Ensino da Música da UCLM, com um prémio extraordinário. 
Foi membro da Orquestra Jovem da Comunidade de Madrid, Orquestre des Jeunes de la Méditerranée, Orquestra Europeia da Juventude e do Vento, Juventude Mundial da Juventude Musical, Orquestra do Festival de Música Schleswig Holstein, Orquestra Jovem dos Países Baixos. Colaborou com diferentes orquestras, como a Orquestra RTVE e a Banda Municipal de Madrid.

Patrick Messina (França)
Clarinete

Patrick Messina é reconhecido, tanto pelas orquestras como pelo público, como um dos principais clarinetistas dos nossos tempos. Em 2003, tornou-se clarinete principal do Orchester National de France, sob a direção de Kurt Masur.
De 1996 a 2003, trabalhou com a Metropolitan Opera, em Nova York, sob a direção de James Levine, Valery Gergiev, Leonard Slatkin e é regularmente convidado como clarinetista principal para algumas das melhores orquestras do mundo, como o Royal Concertgebauw Orquestra em Amsterdão e a Orquestra Sinfónica de Chicago, sob a batuta de Kurt Masur, Bernard Haitink entre outros.

Paulo Gaspar (Portugal)
Clarinete

Nasceu em Azambuja, em 1970, onde iniciou os seus estudos musicais. Em 1989 ingressou na Banda da Armada. E a partir de 1991 torna-se o clarinetista dos Dixie Gang, grupo com dois CD gravados e diversas representações de Portugal no estrangeiro. 
Foi elemento do Ensemble Clarinete Modus (1992-1999) e da Orquestra de Clarinetes José Canongia. Em 1992, formou um Duo com a pianista Ana Cristina Bernardo, que se mantém em atividade desde essa altura. Em 1994, em conjunto com o seu professor de clarinete, Manuel Jerómino formou um duo de clarinetes que realizou diversos concertos. Já em 1999 nasceu o quarteto de clarinetes baixos – Gravitis – com o qual se apresentou em Metz (França) no Espetáculo de Teatro Musical – Graoully-, de Etienne Lamaison. Também nesse ano nasceu o Quinteto Ruben Alves que teve a honra de representar Portugal no Concurso de Jazz de Avignon (2001).

Paulo Guerreiro (Portugal)
Trompa

Natural de Loulé. Licenciado em Trompa pela ESART, detentor do título de Especialista em Trompa, ocupa atualmente a posição de primeiro Trompa Solista da Orquestra Sinfónica Portuguesa e é membro da Orquestra Barroca Divino Sospiro. Estudou com os professores António Costa e Jonathan Luxton, na Escola de Música do Conservatório Nacional e na Escola Superior de Música, respetivamente. Em 1990 foi membro efetivo da Orquestra de Jovens da Comunidade Europeia.

Paweł Krauzowicz (Polónia) 
Clarinete

Formou-se na Academia de Música de Cracóvia, na classe de clarinete do professor Andrzej Godek.
Aperfeiçoou os seus estudos musicais com os cursos de mestrado realizados com G. Deplus, Ph. Cupera, D. Campbell, entre outros. 
É um dos poucos clarinetistas que toca bassethorn. Este facto leva-o a atividades artísticas como solista, camerista e músico de orquestra, apresentando-se em concertos e festivais no país e no estrangeiro (Suíça, Alemanha, Itália, Espanha, Hungria, Eslováquia, Ucrânia, Estados Unidos, Dinamarca, Holanda, Japão, Coreia do Sul. China, Taiwan).

Paweł Solecki (Polónia) 
Fagote

Formado pela Academia de Música de Cracóvia na classe de fagote, é atualmente professor nesta universidade. Fagotista, multi-instrumentista, compositor, arranjador, tem quase 30 álbuns, tanto de música clássica quanto de outros géneros. 
Desde 2000, está associado ao grupo YesKiezSirum, com o qual ganhou vários prémios de prestígio em festivais de música.

Pedro Ribeiro (Portugal)
Oboé

Pedro Ribeiro iniciou os seus estudos de oboé na Escola Profissional Artística do Vale do Ave, com Saúl Silva, tendo concluído a licenciatura na Escola Superior de Música do Porto, na classe de Ricardo Lopes. 
Foi laureado com o 1º Prémio da Juventude Musical Portuguesa, o Prémio Jovens Músicos, o Prémio Maestro Silva Pereira e o Prémio Revelação Ribeiro da Fonte. Lecionou na Universidade de Aveiro, na Escola Superior de Música do Porto e na Academia Nacional Superior de Orquestra.

Peter Wright (EUA)
Clarinete

Ocupa as funções de clarinete principal da Jacksonville Symphony Orchestra
É clarinete principal da Orquestra Sinfónica de Jacksonville (JSO), desde 1975, e solista internacional, tendo realizado numerosos recitais solo em todo o sudeste dos Estados Unidos e Canadá. Realizou muitos concertos com a JSO e, mais recentemente, tocou na estreia mundial do concerto de clarinete de Nikola Resanovic, “Collateral Damage”, com a JSO, em março de 2005. Outras apresentações incluem concertos de Mozart, Finzi, Copland, Rossini, Debussy, e Matyas Seiber.

Philippe Cuper (França)
Clarinete

“Philippe Cuper é um dos melhores representantes do instrumento, solista, músico de câmara e de orquestra, ele está em todas as frentes com a mesma facilidade, a mesma serenidade reconfortante.” (Michael Le Naour, jornalista Le Monde de la Musique). 
Clarinete principal da Orquestra da Ópera Nacional de Paris (desde 1984), Philippe Cuper foi convidado da Filarmónica de Berlim, La Scala de Milano, Rádio Sinfónica da Baviera, Filarmónica Checa, Sinfónica de Moscovo, Sinfónica de Varsóvia, Orquestra de Paris, Nacional de França e Ensembles Contemporains de Paris, sob a direção dos maestros Sawallisch, Ozawa, Abbado, Maazel, Mehta, Boulez, Prêtre, Dohnanyi, Barenboim, Gergiev, Salonnen, Conlon, Chung, Jordan, entre outros.

Piero Vincenti (Itália)
Clarinete

“… um dos maiores clarinetistas italianos, um generoso concertista, com um talento aguçado …”, é deste modo que a imprensa define Piero Vincenti. Tendo estudado na escola de Ciro Scarponi, também se dedicou ao estudo de piano e composição. 
Tocou como solista e em conjuntos de câmara nos mais importantes teatros europeus, entre os quais: Accademia Filarmonica di Bologna, Gasteig de Munique, Teatro alla Scala de Milão, Teatro La Fenice de Veneza, Teatro Estadual de Berlim; foi convidado nos festivais: Pontino, Ravello, Bienal di Venezia, Festival d’Avignone, Semanas Internacionais de Lugano, Due Mondi di Spoleto, Settembre Musica di Torino, Roma-Europa; para além disso colaborou com as mais importantes sociedades de concertos italianos, incluindo a Universidade Instituição de Concertos de Roma, Il Coretto di Bari, Ente Concerti Palestrina de Cagliari, Quarteto Sociedade de Vicenza etc.

Piotr Thieu Quang (Polónia)
Clarinete

Iniciou a sua educação em clarinete aos nove anos de idade, na classe de Jerzy Czyran. Desde 2016, estuda com o professor Mirosław Pokrzywiński (Universidade de Música Fryderyk Chopin, Varsóvia). 
Foi laureado em várias competições de clarinete e câmara, tais como o 17º Concurso de Clarinete Académico em Włoszakowice, 8º Festival de Clarinete da Pomerânia Ocidental em Szczecin, Concurso Internacional de Clarinete em Varsóvia e 11º Festival de Clarinete em Piotrków Trybunalski.

Radovan Cavallin (Croácia)
Clarinete

Radovan Cavallin nasceu em Zagreb, Croácia, em 1969. Aos 13 anos, ingressou na Academia de Música da Universidade de Zagreb, tornando-se o aluno mais jovem já admitido na história da universidade, graduando-se com honras e distinção no desempenho de clarinete. Em 1986, Cavallin foi escolhido entre 76 candidatos para entrar no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris, onde recebeu os seguintes prémios: 1º Prémio de Música de Câmara por unanimidade, classe Christian Lardé em 1988 e 1º Prémio Clarinete por unanimidade, em classe de Guy Deplus, em 1989. Além disso, Cavallin recebeu quatro bolsas de estudo: 1986, Bolsista Ivo Pogorelich; Bolsista de 1987, Nadia e Lily Boulanger; e 1988 e 1989, Bolsa de estudos do governo francês. Radovan recebeu prémios nas seguintes competições: 1º Prémio Nacional de Clarinete na Jugoslávia, em quatro ocasiões (1981, 1983, 1985 e 1986), 1º Prémio da Competição Internacional de Clarinetes em Ancona (Itália) em 1984, 2º Prémio na Competição Internacional Clarinete Dos Hermanasem Sevilla (Espanha), em 1995.

Ricardo Lopes (Portugal)
Oboé

É atualmente o 1º oboé da Orquestra Sinfónica Portuguesa, onde tem trabalhado com alguns dos melhores maestros da atualidade, como: Nello Santi, Jeffrey Tate, Alain Lombard, Rafael Frübeck-de-Burgos ou Lukas Foss. Trabalhou, quer particularmente quer em classes de aperfeiçoamento, com David Reichenberg, Ingo Goritzki, Eric Niord Larsen e Diethelm Jonas. 
Colaborou com diversas orquestras como 1º Oboé, entre as quais a Orquestra Sinfónica do TNSC (Teatro Nacional de São Carlos), a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra do Norte e a Orquestra da Regie Sinfonia.

Roman Widaszek (Polónia)
Clarinete

Clarinetista, diplomado com honras pela Academia de Música de Katowice, na turma do professor H. Kierski, desenvolveu as suas capacidades em vários cursos de mestrado, realizados, entre outros pelo professor Guy Deplus e professora Michaela Arrignon. 
Ganhou o segundo prémio no Festival Nacional de Clarinete em Piotrkow (1995), e o terceiro prémio no Concurso Nacional de Compositores em Bielsko-Biala (1990) e Scholarship do Ministério da Cultura e Arte. Foi condecorado com a Cruz de Bronze, por méritos na divulgação da cultura musical. Realizou vários concertos a solo e de câmara, apresentando-se, entre outros, com artistas e bandas como Sharon Kam, António Saiote, Dimitri Ashkenazy, Kwartet Śląski, Hilliard Ensemble.

Rui Martins (Portugal)
Clarinete

É patrocinado pela Selmer – Paris, desde 2007, e Solista Gold da RICO – USA, desde 2004. Nos últimos anos tem sido participante assíduo no Congresso Mundial do Clarinete, tendo actuado com o Quarteto de Clarinetes de Lisboa, em Assisi (2013), Los Angeles (2011), Porto (2009), Vancouver (2008) e Atlanta (2007). Atuou também noutros eventos em Paris, Madrid, Recife, Bordéus, Turim, Catalunha, Valência, Wroklaw, Ghent, etc. 
Em 2013 fez parte do júri no Concurso Internacional Saverio Mercadante (Itália) e no IIº Concurso Internacional de Clarinete de Lisboa.

Sauro Berti (Itália)
Clarinete

Sauro Breti, clarinete baixo do Teatro dell’Opera di Roma, colaborou com as mais importantes orquestras italianas: Teatro alla Scala, Maggio Musicale Fiorentino, Orquestra Nacional da RAI, Royal Scottish National Orchestra e Sinfonia Finlandia Jyväskylä. 
Tocou sob a direção de G. Prêtre, R. Chailly, M. W. Chrung, R. Muti, W. Sawallisch, V. Gergiev, L. Maazel, P. Boulez e Z. Mehta. 
Foi solista no ClarinetFest® de 2008, em Tóquio; entre 2009 e 2014 atuou nos ClarinetFest® (Porto, Austin, Los Angeles, Lincoln, Assis, Baton Rouge); no 2º Festival CostaRica, no 1º e 2º Congresso Latino-americano no Perú, no 5º Congreso de Madrid, no Festival de Guimarães em 2012 e no 3º Festival de Guatemala 2013. Em 2009, obteve o diploma de direção, com D. Renzetti. 
Sauro Berti é um artista Rico e toca instrumentos Buffet Crampon.

Sergey Eletskiy (Rússia)
Clarinete

Sergey Eletskiy nasceu em 1989, em Moscovo. Iniciou a sua educação musical na Central Music School, em Moscovo, estudando com V. Ferapontov. De 2007 a 2012 estudou com o professor E. Petrov no Conservatório Estadual de Moscovo. Entre 2009 e 2013, também estudou no Music High School em Luebeck (Alemanha) com o professor R. Wehle. 
Tocou, como solista, com várias orquestras (Orquestra Sinfónica da Rádio da Baviera, Orquestra de Câmara de Munique, Orquestra Sinfónica da Rádio de Munique, Orquestra Sinfónica de Odense, Orquestra Sinfónica de Düsseldorf, entre outras).

Shigeru Ikushima (Japão)
Clarinete

Começou a tocar o clarinete com doze anos. Entrou no Kunitachi College of Music e estudou clarinete com a Sra. Shashi e Ogasawara. 
Em 1969 foi para França, como bolseiro do governo francês, e ganhou o 1º Prémio de clarinete e de música de câmara no Conservatório Nacional de Região de Rouen. Completou o curso de mestrado desta escola no ano seguinte. Estudou clarinete com Jacques Lancelot e Walter Boeykens, e música de câmara com Reine Flachot na França.

Sun Zhen (China)
Clarinete

O clarinetista Zhen Sun ganhou o 4º Prémio do Concurso Internacional José Augusto Alegria (Portugal), obteve igualmente o primeiro prémio do Concurso Internacional de Música de Câmara de Londres (secção de sopros). 
Zhen Sun participou em vários festivais de música, incluindo: MusicNature Festival Internacional de Música de Câmara (EUA), Kooperationfür Musik in der Großregion (Alemanha), Festival Internacional de Música Internacional (França), International Woodwinds Festival (Suíça), Music Intima (Bélgica), ARS Musical (Bélgica), Printemps des Arts (Mónaco) e Canton International Summer Music Academy (China).

Tiago Abrantes (Portugal)
Clarinete

Com vasta experiência no ensino do clarinete, é atualmente professor efetivo no Conservatório de Música do Porto e no Conservatório Regional de Gaia, tendo anteriormente lecionado no Conservatório de Música de Águeda, Conservatório do Vale do Sousa, Escola de Artes da Bairrada e Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Aveiro. 
Estudou clarinete na Sociedade Musical Alvarense, Águeda, no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Aveiro, na Escola Profissional de Música de Espinho e na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto, com os professores Américo Fernandes, Fernando Rainho, Nelson Aguiar, António Saiote, Luís Carvalho e Nuno Pinto, tendo concluído na ESMAE o bacharelato e a licenciatura.

Tiago Bento (Portugal)
Clarinete

Tiago Filipe Silva Bento iniciou os estudos musicais na Escola de Música do Grupo Desportivo e Cultural de Ribeira de Fráguas, com o professor Nélson Aguiar. 
Concluiu o 8º grau de instrumento no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Aveiro, com o professor Tiago Abrantes, tendo obtido a classificação máxima. Teve também como professores Luísa Marques, António Rosa e Tiago Abrantes. 
É mestre em Interpretação Artística e mestre em Ensino da Música pela ESMAE, na classe de António Saiote, tendo como professores adjuntos Víctor Pereira e António Rosa.